A intervenção a realizar consiste na implementação de ações que visam aumentar a eficiência energética e a utilização de energias renováveis para autoconsumo nas empresas, contribuindo assim para a promoção da eficiência energética das empresas e para o aumento da competitividade da economia através da redução da fatura energética. O projeto permitirá a utilização racional de energia, reduzir as emissões de carbono, consumos energéticos e os custos de exploração/manutenção associados, indo de encontro à redução no consumo de energia primária.

A proposta de intervenção, ao nível das medidas de eficiência energética previstas em sede de auditoria energética “ex-ante”, em consonância com a estimativa orçamental caracteriza-se pela implementação de intervenções nos processos produtivos da empresa, nomeadamente:

• Recuperação do ar de arrefecimento do forno intermitente n.º 1 para o secador.

• Instalação de um sistema de furtos calibrados de controlo dos queimadores do forno intermitente n.º 1.

O objetivo da operação proposta consubstancia-se na melhoria/aumento do desempenho energético e na otimização e instalação de tecnologias e sistemas energeticamente eficientes ao nível dos processos produtivos e ao nível de sistemas de suporte aos processos produtivos nas infraestruturas e/ou equipamentos existentes na empresa.


A intervenção a realizar consiste na implementação de ações que visam aumentar a eficiência energética e a utilização de energias renováveis para autoconsumo nas empresas, contribuindo assim para a promoção da eficiência energética das empresas e para o aumento da competitividade da economia através da redução da fatura energética. O projeto permitirá a utilização racional de energia, reduzir as emissões de carbono, consumos energéticos e os custos de exploração/manutenção associados, indo de encontro à redução no consumo de energia primária.

A proposta de intervenção, ao nível das medidas de eficiência energética previstas em sede de auditoria energética “ex-ante”, em consonância com a estimativa orçamental caracteriza-se pela implementação de intervenções nos processos produtivos da empresa, nomeadamente:

• Recuperação do ar de arrefecimento final do forno túnel da Grestel 3 para o secador da roller de pratos.

• Instalação de um VEV (Variador Eletrónico de Velocidade) no motor do ventilador do de extração de gases do forno túnel da Grestel 2.

• Recuperação do ar de arrefecimento final do forno túnel da Grestel 2 para estufa de secagem.

• Substituição da mobília refratária das vagonas por mobília refratária de baixa massa térmica (trempes de carboneto de silício e placas de cordierite) do forno túnel da Grestel 2.

• Instalação de ventiladores de distribuição de ar quente na olaria por forma a desligar 2 dos 4 geradores de ar quente.

O objetivo da operação proposta consubstancia-se na melhoria/aumento do desempenho energético e na otimização e instalação de tecnologias e sistemas energeticamente eficientes ao nível dos processos produtivos e ao nível de sistemas de suporte aos processos produtivos nas infraestruturas e/ou equipamentos existentes na empresa.


EcoGrés+NG - Investigação e desenvolvimento de pasta grés resultante de incorporação  de resíduos/subprodutos industriais


O projeto EcoGrés+NG tem como principal objetivo o desenvolvimento de uma pasta corada na qual serão  introduzidos os resíduos/subprodutos resultantes do processo produtivo da Grestel e resíduos/subprodutos  provenientes de empresas de outros sectores nomeadamente da Navigator (cinzas volantes e dregs da produção  de pasta de papel), da Extrusal (lamas da anodização do alumínio) e da Grohe (lamas de processos de galvanização). 

A nova pasta terá um custo inferior (> 20%) a uma pasta semelhante produzida com matérias-primas virgens. A  otimização da composição da pasta com a incorporação dos resíduos/subprodutos atrás referidos possibilitará diminuição da sua temperatura de processamento com os consequentes benefícios económicos e ambientais. Para este efeito, o desenvolvimento será realizado em duas etapas (formulação de uma pasta corada na qual serão introduzidos todos os resíduos/subprodutos resultantes do processo de fabrico da Grestel e a formulação de uma pasta corada mas com a introdução de resíduos/subprodutos de outras indústrias) e a uma temperatura inferior à atualmente utilizada pela Grestel. 

Como resultado da investigação realizada durante o projeto espera-se obter protótipos e pré-séries de peças  cerâmicas produzidas com uma pasta que contém uma percentagem de resíduos/subprodutos (da Grestel e das outras empresas) superior a 80% e cuja temperatura de processamento será cerca de 30ºC inferior à atualmente utilizada pela empresa. As questões relacionadas com o impacto ambiental e económico do uso de resíduos/subprodutos serão tidas em conta durante a execução do projeto através da avaliação das emissões gasosas e da certificação dos produtos desenvolvidos. 

Para atingir estes resultados, a equipa de trabalho, liderada pela empresa Grestel, reúne elementos do  Departamento de Engenharia de Materiais e Cerâmica/CICECO da Universidade de Aveiro.

FLOWARE - Investigação e desenvolvimento de linha de produtos de Grés de Chama (flameware)

Com a realização do projeto FLOWARE, o consórcio proponente, formado pelas empresas Grestel e Mota II, pretende desenvolver duas pastas (plástica e barbotina) e três vidrados (transparente, opaco e mate), para com eles fabricar um produto capaz de suportar as tensões termomecânicas resultantes da ação direta da chama dos queimadores dos fogões domésticos e industriais.
Concretizando, pretende-se obter:
• Duas pastas de grés (pasta plástica para contramoldagem e prensagem e barbotina para enchimento) com absorção de água ?1%, MOR (3 pontos) maior do que 35 MPa, tenacidade à fratura KC?1 MPam-1/2 e CET entre 20x10-7 K-1 e 30x10-7 K-1, no intervalo de temperatura 20 - 800ºC);
• Três vidrados (transparente, opaco e mate), com CET entre 15x10-7 K-1 e 25x10-7 K-1, no mesmo intervalo de temperatura anterior, temperatura de amolecimento superior a 800ºC e tenacidade à fratura KIC?0,75 MPam-1/2;
• Nove produtos acabados em grés por monocozedura, correspondentes aos três métodos de conformação usados (prensagem, contramoldagem e enchimento) e aos três vidrados (opaco, transparente e mate), com a forma, a microestrutura e as propriedades mecânicas e térmicas mais adequadas, para suportar os choques térmicos resultantes da sua exposição à chama dos queimadores dos fogões domésticos e industriais a gás.
• Três produtos finais, a eleger entre os nove anteriores (1 pasta + 1 método de conformação e 3 vidrados), aptos a serem produzidos e comercializados pela Grestel numa fase posterior à realização do projeto, em conformidade com os requisitos estabelecidos pelo projeto para a louça Flameproof.

Com a realização do projeto, o consórcio proponente desenvolveu duas pastas (pasta plástica e barbotina) e três vidrados (transparente, opaco e mate), para com eles fabricar produtos capazes de suportar as tensões termomecânicas resultantes da sua utilização, nomeadamente quando submetidos à ação direta da chama dos queimadores domésticos e industriais.
Inicialmente foram levantados alguns constrangimentos, nomeadamente na dificuldade da otimização do nível do design do modelo para peças de olaria bem como as dificuldades não previsíveis de obtenção de uma matéria-prima no mercado.
A passagem dos protótipos à escala piloto para a escala industrial trouxe alguns problemas que tiveram que ser ultrapassados:
• Barbotina - Dificuldade em transformar a composição da pasta plástica em pasta de enchimento com as mesmas caraterísticas de FLOWARE. Problemas reológicos e tempo de formação de parede. Peças com muitos poros.
• Vidragem por mergulho - acerto reológico fácil mas com dificuldades em ter camadas de vidrado homogéneas o que provoca diferenças de comportamento das peças à Chama.
• Forno - Dificuldade em controlar os gradientes de temperatura num forno intermitente de grandes dimensões quando o produto exige que os gradientes de temperatura sejam muito apertados. Problemas de afinação por motivos do patamar de arrefecimento o que implicou uma intervenção especial do fornecedor do forno para permitir programação deste patamar de arrefecimento.
Foram efetuado ensaios de grande dimensão à escala fabril tendo envolvido todos os sectores de produção de peças cerâmicas FLOWARE.
Com base nas informações da Universidade de Aveiro relativos ao comportamento das peças de FLOWARE aos testes a que foram submetidas, foram efetuadas correções ao nível do design, em especial o design dos fretes, bem como ao nível da espessura do fundo e da parede das peças.
Com a produção de séries maiores, foram colocadas algumas peças em serviço em ambiente doméstico e industrial para se obter o desempenho real das peças e o seu comportamento ao longo do tempo.
Ao nível da promoção de resultados, foi publicado um artigo na revista cfi - Ceramic Forum International [edição cfi/Ber. DKG 95 (2018) No. 9-10], intitulado "MOTA Ceramic Solutions (MCS) Low Expansion Ceramic Bodies and Glazes for Ceramic Flameware Manufacture" e efetuada a divulgação dos resultados em eventos específicos.

GRESTEL 2020 - Expansão, eficiência operacional, marcas próprias e ecoeficiência

O objetivo do projeto de Internacionalização passa por fortalecer o posicionamento das Marcas Grestel, através do lançamento de uma nova marca que irá preencher uma lacuna de posicionamento. A nova marca própria será desenvolvida para o segmento de mercado de loiças de mesa, utilitárias e decorativas, com look "Casual" & "American Way", com uma brand promise de respeito pela "Tradição centenária de fabrico em Portugal".

Este projeto é complementar à criação de um novo e inovador estabelecimento (eficiência operacional e ecoeficiência - Grestel III) e o aumento da capacidade por via da eficiência operacional do estabelecimento Grestel II, em função da necessidade da Grestel em satisfazer a crescente procura internacional dos seus produtos (eliminando a necessidade recorrente de subcontratação de produção) e suportar a aposta em marcas próprias.

Com esta aposta a empresa pretende promover a sustentabilidade do negócio face às ameaças da envolvente e da atividade comercial excessivamente concentrada em private label, aproveitando as oportunidades de mercado que lhe surgem complementadas pelos resultados das atividades recentes de I&D, nomeadamente através dos projetos de I&DT desenvolvidos com sucesso que permitem a inovação ao nível dos processos e produtos (nomeadamente o "Color Grés", "+ECOGrés", "INDUCER" e "Vidrado X").

Com o intuito de consolidar os mercados onde opera, reforçar as vendas e criar visibilidade nos mercados externos, para conquistar novos mercados, é objetivo da Grestel apostar nas vendas das marcas próprias, consolidando a sua estratégia de vendas para os mercados externos, tornando-se essencial a aposta na diversificação dos mercados, com vista à diminuição da dependência claramente demonstrada do mercado private label e em um grupo restrito de grandes clientes (clientes de referência).


GRESTEL 2020 - Expansão, eficiência operacional, marcas próprias e ecoeficiência

O objetivo do projeto de Qualificação compreende o fortalecimento competitivo da Grestel, colocando-a como um player de referência a nível mundial e encontra-se sustentado por medidas de investimento adicionais em Inovação e Internacionalização.

Este projeto é complementar à criação de um novo e inovador estabelecimento (eficiência operacional e ecoeficiência - Grestel III) e o aumento da capacidade por via da eficiência operacional do estabelecimento Grestel II, em função da necessidade da Grestel em satisfazer a crescente procura internacional dos seus produtos (eliminando a necessidade recorrente de subcontratação de produção) e suportar a aposta em marcas próprias.

Com esta aposta a empresa pretende promover a sustentabilidade do negócio face às ameaças da envolvente e da atividade comercial excessivamente concentrada em private label, aproveitando as oportunidades de mercado que lhe surgem complementadas pelos resultados das atividades recentes de I&D, nomeadamente através dos projetos de I&DT desenvolvidos com sucesso que permitem a inovação ao nível dos processos e produtos (nomeadamente o "Color Grés", "+ECOGrés", "INDUCER" e "Vidrado X").

Este projeto visa o reforço das capacidades de organização e gestão da Grestel, no qual se inclui o investimento no desenvolvimento das capacidades estratégicas e de gestão competitiva e sistemas modernos de distribuição e logística, bem como na utilização de tecnologias de informação e comunicação e no aprofundamento da presença na economia digital / web. Pretende-se assim a qualificação específica dos ativos em domínios relevantes para a estratégia de inovação, internacionalização e modernização da Grestel com o intuito de consolidar os mercados onde opera, reforçar as vendas e criar visibilidade nos mercados externos, para conquistar novos mercados.

GRESTEL 2020 - Expansão, eficiência operacional, marcas próprias e ecoeficiência

O objetivo do projeto de Inovação compreende a criação de uma nova unidade industrial Grestel III, inovadora e distintiva pela ecoeficiência e eficiência operacional, e o aumento da capacidade por via da eficiência operacional do estabelecimento Grestel II, em função da necessidade da empresa em satisfazer a crescente procura internacional dos seus produtos.

Com esta aposta a empresa pretende promover a sustentabilidade do negócio face às ameaças da envolvente e da atividade comercial excessivamente concentrada em private label, aproveitando as oportunidades de mercado que lhe surgem complementadas pelos resultados das atividades recentes de I&D, nomeadamente através dos projetos de I&DT desenvolvidos com sucesso que permitem a inovação ao nível dos processos e produtos (nomeadamente o "Color Grés", "+ECOGrés", "INDUCER" e "Vidrado X").

A Grestel II será vocacionada para pequenas séries, dotada de extrema flexibilidade operacional, e a Grestel III, unidade a criar, pretende ser particularmente vocacionada para produtos de maior volume de vendas materializando a orientação estratégica de alavancar o private label. Pretende-se assim aumentar a capacidade e a flexibilidade da produção para responder aos pedidos de clientes com margens mais interessantes (marcas próprias). Usufruindo da familiaridade dos EUA com a cerâmica portuguesa para a aceder a novos clientes de referência, a Grestel planeia consolidar assim este mercado (relevante em termos históricos e onde os nichos de mercado são de dimensão elevada e com margens importantes), bem como apostar em outros países para alcançar novos clientes, igualmente de relevância mundial.

Designação do projeto | PROJETOS AUTÓNOMOS DE FORMAÇÃO

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização, apoiada pelo FSE, nos termos do Aviso para Apresentação de Candidatura n.º 10/SI/2020


Este plano de formação visa reforçar a cultura de melhoria contínua e eficiência de processos, eliminando desperdícios e criando valor para o cliente; A cultura de sustentabilidade e responsabilidade social, que é bastante valorizada pelos clientes e pela gestão de topo, é outro dos focos deste plano de formação que assim prevê ações de consciencialização para comportamentos responsáveis. Da análise SWOT resulta um conjunto de domínios de intervenção relevantes para a competitividade da Grestel: Comportamentos, Produtividade, Eficiência de Processos e Recursos e Clima. Este Plano de Formação foi concebido com o objetivo de adequar/criar/atualizar as competências dos trabalhadores para áreas chave de competência: Mudança Organizacional (Pivots de Mudança), Digitalização, Melhoria Contínua e Sustentabilidade para responder aos desafios traçados pela Grestel para os próximos anos.

O foco principal deste projeto é a mudança de atitude dos colaboradores perante a necessidade de ajuste das suas competências num contexto de digitalização e evolução dos modelos de negócio e de trabalho. Para isso, este plano contempla uma abordagem dinâmica e colaborativa, procurando soluções para problemas concretos e promovendo uma cultura de inovação, sustentabilidade e compromisso. Recorrendo a simulação de situações reais e dinâmicas de grupo, com a intenção de gerar confiança para a mudança e para a tomada de decisão, o projeto combina aspetos técnicos e a diversidade de experiências dos seus participantes com o reforço das suas competências pessoais e profissionais. Cada ação tem uma “arquitetura” aberta e flexível, o que permitirá conciliar os diversos perfis de formandos em torno de necessidades concretas de especialização; pretende-se promover a geração de resultados concretos, estudando cenários de saída para os problemas identificados e desenvolver um plano de ação com ações a implementar.

DigiGRÉS - Investigação e Desenvolvimento de Gama de Tableware em Grés Fino com Decoração Digital

O projeto digiGRÉS, a realizar em consórcio pela Grestel e Universidade de Aveiro, tem como principal objetivo o desenvolvimento de uma gama de produtos para tableware em grés fino com decoração através de impressão digital (linha digiGRÉS) e tratamento com radiação laser, representando uma etapa determinante na modernização e inovação dos produtos e modelo de negócio da empresa num contexto da Indústria 4.0, tornando-a mais competitiva a nível nacional e internacional.

Para tornar realidade esta ambição, o projeto inclui a investigação em duas áreas fundamentais:

• Produtos & Materiais - Desenvolvimento de novas tintas e vidrados que permitam a diferenciação dos efeitos e decorações das práticas atuais da utilização da tecnologia de impressão digital (reprodução de fotos e decalques), bem como a obtenção de novas tintas para impressão digital de back stamps passíveis de tratamento com a tecnologia laser;

• Processos & Tecnologia - Implementação de uma linha experimental que permita adotar de forma pioneira e inovadora os seguintes processos:

o Tecnologia de impressão digital de tintas, vidrados e colas para criar efeitos decorativos especiais considerando a geometria (altura) das peças e a adaptação posicional da decoração;

o Tecnologia laser para tratamento das tintas dos back stamps;

o Automatização e controlo dos processos de aplicação de granilha para complemento de decoração, em linha com a impressão digital de cola;

o Tecnologia de visão artificial e robótica para resolução do desafio de posicionamento, inversão e centragem de cada peça individual, particularmente com geometria não regular, relativamente ao desenho quer para impressão digital e quer para o tratamento com feixe laser.

O projeto digiGRÉS possibilitará, assim, o reforço da combinação da tecnologia avançada e a experiência da Grestel, oferecendo para o mercado internacional uma gama original de produtos com elevada qualidade, durabilidade e design exclusivo.


STC 4.0 HP - New Generation of Stoneware Tableware in Ceramic 4.0 by High Pressure Casting Robot work cell


O projeto STC 4.0 HP - a realizar em consórcio pela Grestel, Instituto Politécnico de Bragança e Instituto Politécnico de Leiria, contando ainda com a parceria do Limerick Institute of Technology (Irlanda) - ambiciona uma nova geração de tableware de grés fino monocozedura direcionado para as potencialidades do paradigma da Ceramic 4.0.

Até à atualidade, não era conjeturável a adoção de peças de reduzida espessura (4mm - fine dinnerware) em virtude das tecnologias de conformação existentes e face ao manuseamento envolvido. A implementação da indústria 4.0 (robotização, cloud computing, visão artificial, computação ubíqua, inteligência artificial e visão computacional) em processos de conformação por alta pressão e posterior acabamento de peças de grés fino vem abordar desafios e oportunidades impensáveis. O estigma associado à indústria cerâmica, antiquada e artesanal, tem sido desafiado pela Grestel com o desenvolvimento de designs inovadores e decorações únicas, bem como I&D para melhoria ambiental (eficiência energética e valorização de resíduos), de novos produtos (pasta chama e de indução) e de processo (vidragem, decoração digital e cozedura laser).

O projeto STC 4.0 HP é um passo gigante na adoção da indústria 4.0, com a robotização da desmoldagem da alta pressão, acabamento e respetivo controlo visual de qualidade digital, e irá permitir ganhos de produtividade e otimização de recursos imbatíveis possibilitando que, colaboradores, hoje afetos a tarefas repetitivas e monótonas, possam ser aproveitados em tarefas de superior valor acrescentado, e a penetração à escala global em nichos de mercado específicos (hotelaria). A remoção do fator humano de tarefas monótonas como transporte e controlo subjetivo da qualidade, a eliminação da manipulação de peças propensa à introdução de defeitos, irá contribuir significativamente para patamares de qualidade disruptivos.

Este projeto permitirá a introdução de metodologias disruptivas no paradigma atual da indústria de louça em grés fino, sendo um passo decisivo no caminho de uma indústria cerâmica 4.0, com uma forte componente de versatilidade, produtiva, de qualidade, mais verde e valorizadora do capital humano


GRESTEL ECi4.0: Transição Digital e Adoção de Princípios da Economia Circular


O projeto GRESTEL ECi4.0: Transição Digital e Adoção de Princípios da Economia Circular visa aumentar a capacidade de produção, através da realização de um conjunto diverso de investimentos com o propósito de promover a adoção dos princípios da Indústria 4.0 e da Economia Circular nos processos, produtos e modelos de negócio, pelas práticas de inovação, eco eficiência, aplicação de sistemas avançados de informação e da conetividade entre sistemas e pessoas.

O investimento a realizar, que pretende contribuir para o reforço da competitividade da empresa, irá incidir sobre as seguintes áreas de intervenção:

  •  Aumento da capacidade e inovação ECOGRES;
  •  Redução do time-to-market e integração de fluxos de informação entre mercado e a produção;
  •  Sistemas avançados de informação e conectividade entre sistemas, equipamentos, produtos e pessoas;
  • Transição para uma economia circular, incluindo transição energética e gestão ambiental.

Com a concretização dos investimentos previstos neste projeto, espera-se:

  • Eliminar o estrangulamento capacitivo existente nos estabelecimentos constituídos pelas unidades 1 e 2/3,

adotando tecnologias do paradigma da Economia 4.0;

  • Aprofundar a transição digital do modelo de negócio, particularmente nas marcas próprias, ao incluir tecnologias core i4.0 no seu modelo de negócio, criando e liderando o paradigma do tableware/kitchenware 4.0;
  • Intensificar métodos de produção que contribuam significativamente para a transição para uma Economia Circular através de ações que visam minimizar o consumo de recursos, a transição energética para fontes renováveis, a reutilização de resíduos e à reincorporação de subprodutos / resíduos de outras industrias como matérias-primas.